20100825

É uma Animação!

Terça-feira à tarde é hora de Animação. E que animação! O Centro de Dia é o palco. Uma sala com cerca de duas dezenas de idosos que, de maneira surpreendente, passaram a tornar tão agradáveis as minhas tardes de terça-feira. E as deles também, que eu bem percebo!

Era um grupo de idosos, de certo modo, parado e desmotivado, por falta de uma presença mais assídua que lhe dinamizasse actividades recreativas na sala, o que nem sempre acontecia por alguma limitação de tempo dos recursos humanos afectos a esta resposta social de Centro de Dia. Pretendeu-se a transformação desse grupo a partir da dinamização, mobilização e implicação dos próprios indivíduos do grupo no sentido do seu desenvolvimento, o que aconteceu com relativa facilidade, uma vez que já conhecia pessoalmente a maioria dessas pessoas, e também procurei mais alguma informação acerca dos seus gostos, necessidades, interesses e motivações, bem como das suas potencialidades.

Procurando ir ao encontro dos interesses destes idosos, tenho vindo a dinamizar actividades de Animação Sociocultural com canções populares, histórias e contos populares, jogos, anedotas, adivinhas, rimas, lengalengas, partilhas de saberes e de experiências e estórias de vida.

As actividades desenvolvidas vêm-se direccionando a estimular a actividade cognitiva, a promover a comunicação, convivência e ocupação do tempo dos idosos, de maneira atractiva, transmitindo-lhes alegria e boa disposição, despertando-lhes vontade e gosto, de forma a evitar-lhes a alienação e a passividade, mas procurando respeitar sempre as suas capacidades, hábitos, interesses, potencialidades, expectativas e a individualidade e estado de espírito de cada um.

Reservei sempre o mesmo dia da semana, terça-feira, e o mesmo horário, de modo a criar uma rotina que os mantivesse despertos para estas actividades, naquele dia e àquela hora.

Uma tarefa que me tem dado muito gozo realizar, por ir constatando o agrado e a satisfação destes idosos, e verificar que vou contribuindo para alguma mudança no sentido de lhes melhorar a auto-estima e o bem-estar.

Conto-lhes uma história. Pego na viola. Gostam de cantar, de dançar. Vou puxando por eles. E então, pergunto-lhes, quem fez o trabalho de casa? O que têm hoje para me ensinar? E eles colaboram. Contam histórias, anedotas, e tenho de pôr um travão no senhor Albino que só sabe das cabeludas, e algumas senhoras também sabem canções das boas, às quais tenho de saber dar a volta:

Ai o caipira já não vai p’ra militar
O caipira mete e tira e sai p’lo mesmo lugar
Ai o caipira eu hei-de o mandar prender
O caipira mete e tira e eu também já sei meter.

Risada geral, a começar por mim, que não me contenho!

20100815

Assunção de Maria - Nossa Senhora da Boa Morte

"Uma mulher revestida de sol, com a lua debaixo dos pés" (Apoc. 12, 1)



Aleluia.

Maria foi elevada ao Céu;
alegra-se a multidão dos Anjos.

Aleluia.


À vossa direita, Senhor, a Rainha do Céu,
ornada do ouro mais fino.


Ao vosso encontro vêm filhas de reis,
à vossa direita está a rainha, ornada com ouro de Ofir.

Ouve, minha filha, vê e presta atenção,
esquece o teu povo e a casa de teu pai.

Da tua beleza se enamora o Rei;
Ele é o teu Senhor, presta-Lhe homenagem.

Salmo 44 (45)

20100808

O Mar e as Rochas



Fui perguntar às rochas
O que sentem
Quando o mar as abraça

Disseram-me
Que sentem arrepios molhados
Pois que o mar é irrequieto
E lhes dá beijos salgados
Que ora as veste de espuma branca
Ora as despe enamorado

Sentem-se amadas por ele
E outras vezes odiadas
Quando ele as prende e as força
Com os seus braços pesados
Sem ter remorso nem dor
Em abraços agitados
A ceder ao seu amor